Loading...

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

USANDO AS PALAVRAS PARA CONDUZIR A ADORAÇÃO







Por Ben Cantelon

Eu fiz uma coisa no domingo à noite que eu não costumo fazer na igreja. Durante um período da música, eu incentivei as pessoas a baterem palmas juntas. Por que eu fiz isso? Não tenho certeza, mas eu sinto que precisávamos nos unir e nos sentir como se estivéssemos participando coletivamente na adoração. Quando isso aconteceu, eu realmente senti que alguma coisa foi quebrada naquela noite permitindo que as pessoas se sentissem participantes do que estava acontecendo. Era uma coisa simples, mas senti que foi o necessário para definir o tom do resto da noite. Isso me fez pensar sobre como envolver nossas congregações quando adoramos juntos corporativamente. Seria errado conduzir as pessoas verbalmente? Eu não estou falando sobre dar um sermão de 5 minutos durante a adoração, eu estou falando sobre incentivar as pessoas a participar batendo palmas, levantando as mãos, dançando, cantando, etc.

Eu estava no fim de semana passado na Conferência Hillsong em Londres e foi realmente inspirador a maneira como eles conduziam o culto. Eles sempre incentivam as pessoas a bater palmas, dançar e levantar as mãos. Quando todas as 12 mil pessoas estavam com as mãos para cima e cantando Eu vou ficar com os braços erguidos e coração rendido houve verdadeiro sentimento de unidade e de comunhão. Estávamos todos concordando com o ato de corporativamente levantar nossas mãos e cantar essa canção como uma resposta. Fiquei realmente impressionado com o quanto eles orientavam verbalmente e instruíam as pessoas a se envolverem na adoração. Após 20 minutos de adoração parecia que íamos para uma jornada incrível e não precisaríamos de 45 minutos de adoração para "chegar lá", porque todos já estavam envolvidos e participando desde o início.

Agora, o perigo de conduzir verbalmente a adoração é que ela pode facilmente voltar-se para nós mesmos e acabamos querendo que as pessoas respondam da mesma forma que achamos que deveriam. Além disso, algumas pessoas não querem que lhes digam o que fazer quando elas adoram e que é totalmente válido. Finalmente, não deve ser usada como uma fórmula para promover as coisas do Alto. Mas eu não acho que isso deva nos prejudicar como líderes de louvor, se estamos sendo movidos pelo Espírito Santo a ter mais de uma ministração e encorajar as pessoas a participarem.
De qualquer forma, isso tem se passado pela minha cabeça durante os últimos dias e eu gostaria de saber de você:

Você tem usado palavras para conduzir a adoração quando você ministra? Qual foi o resultado do seu tempo de adoração? As pessoas ficaram mais envolvidas?
Você acha que é errado conduzirmos verbalmente a adoração? Será que ficamos no caminho?
Como podemos encorajar nossas congregações a serem participantes da adoração e não espectadores?


No final do dia, eu só quero ver nossas igrejas vibrantes e apaixonadas quando nos reunimos para adorar o nosso Salvador, e não apenas lendo algumas palavras em uma tela.


Fonte: www.worshipcentral.org

sábado, 15 de fevereiro de 2014

8 DICAS PARA O MINISTÉRIO DE LOUVOR APROVEITAR MELHOR O TEMPO DE ENSAIO






Por André Mattos

Uma das questões mais complexas atualmente é a administração do tempo; são muitos compromissos profissionais, familiares, sociais e religiosos. Pra quem participa de ministério de louvor nas igrejas, a questão fica mais complicada ainda, uma vez que ensaios são necessários.
Somos orientados pela Palavra a "não fazer a obra relaxadamente", mas muitas vezes temos feito e colocamos a culpa na falta de tempo. O que acontece na verdade é que, de maneira geral, administramos mal o nosso tempo de ensaio. Podemos pensar em algumas coisas práticas, que nos ajudariam a aproveitar melhor o tempo de ensaio:

1 - Planejamento: É imprescindível que o ensaio seja planejado com antecedência, pois todos que estão ali deixam horas preciosas do convívio familiar ou de resolução de questões particulares para participarem do ministério.
A grande maioria dos participantes o faz de maneira voluntária, acreditando em seu chamado. Assim, planejar o ensaio é uma forma de aproveitar melhor este tempo precioso e valorizar a disponibilidade dos integrantes do ministério.
Se possível, as músicas devem ser definidas com antecedência, para que todos os instrumentistas e vocalistas possam preparar seu material adequadamente.

2 - Tempo de ensaio: Um ensaio produtivo não é necessariamente um ensaio extenso. Quando os ensaios demoram demais, o rendimento dos participantes fica comprometido.
Muitas vezes não temos o resultado esperado devido ao cansaço das pessoas. Obviamente o tempo de ensaio varia dentro de cada realidade e objetivo, devendo sempre levar em conta o bom senso.

3 - Atacar o problema: Uma das situações menos produtivas num ensaio é a excessiva repetição de uma canção por determinado erro. Quando se tem um erro em algum trecho, deve-se concentrar os esforços naquele trecho, sem a necessidade de repetir toda a canção.
Após a correção do trecho específico, dá-se prosseguimento ao ensaio. Não adianta ficar repetindo a estrofe e coro, se o problema estiver somente no coro. Vá ao ponto específico e corrija!

4 - Vocal e instrumental: Se você tem estrutura, prefira fazer uma parte do ensaio de maneira separada, principalmente quando forem ensaiar novas canções. Na grande maioria dos grupos, a prioridade é instrumental. Quando vocal e instrumental trabalham em paralelo, juntando-se ao final do ensaio, o rendimento é significativamente melhor.

5 - Pontualidade: Não sei vocês, mas algo que não me deixa nada satisfeito é a falta de pontualidade. Temos uma cultura que nos diz que, por exemplo, se quisermos que algo comece às 20 horas, precisamos marcar às 19:30 horas. Isto precisa mudar com urgência. Estamos punindo os responsáveis e premiando os irresponsáveis.
Os componentes de um ministério precisam saber que seu compromisso primeiro e maior é com Deus e que comparecer ao local de ensaio no horário determinado é uma forma de glorificá-lo através do seu testemunho. Não consigo enxergar Cristo nas pessoas que agem sempre de maneira irresponsável. Atrasos devem ser exceções, não hábitos.

6 - Afinação dos instrumentos e preparação dos microfones: Se você toca um instrumento que carece de afinação e/ou ajustes, chegue antes do horário marcado. Os vocalistas devem fazer o mesmo... Não esperem o ensaio começar para ligar e/ou ajustar seus microfones.

7 - Confusão sonora: Não sei se na sua igreja acontece... Vai começar o ensaio: O baterista "senta" o braço nos pratos e testa os bumbos; o tecladista começa a tocar em Sol Maior; o violão faz um dedilhado clássico; o guitarrista sola; os instrumentos de sopro afinam; o vocalista diz: "Som, alô, som, testando". E tudo isto acontece ao mesmo tempo.
Todos querem testar seus instrumentos e/ou microfones ao mesmo tempo e você fica com a sensação de que está próximo da loucura. Este ambiente de confusão sonora não é nada propício para um ensaio. Aqui entra o respeito. Espere a sua vez para testar o seu som.

8 - Palavra e oração: Reserve um momento do ensaio para refletir na palavra e orar. Temos aprendido que os músicos são os primeiros pregadores do culto. Geralmente, pregamos antes do pastor, através das canções e ministrações. A preparação espiritual é fundamental para que isso aconteça.
Precisamos lembrar que uma das funções principais do ministério de louvor de uma igreja é levar a congregação a adorar ao Senhor.

Quando ensaiamos mal, há um reflexo natural na hora de ministrarmos na Igreja. Músicas mal ensaiadas e executadas podem se transformar em empecilho para que a Igreja flua na adoração.
Quanto mais seguros estivermos, mais liberdade teremos para exercermos esta função tão preciosa para a qual o Senhor nos chamou.

Que Deus abençoe a todos em seus ministérios!

@andrefmattos


Fonte: www.supergospel.com.br

sábado, 1 de fevereiro de 2014

DEZ MIL RAZÕES



DEZ MIL RAZÕES
Por Matt Redman

"Por toda Sua bondade, eu vou continuar cantando...
razões meu coração há de encontrar."

Um produtor musical comentou uma vez que no mundo do pop você realmente só pode escrever quatro tipos de música: "Eu te amo", "Eu te odeio", "Vai embora" e "Volte"! Essa é uma observação divertida e ainda astuta. Mas felizmente, quando se trata de escrever canções para o Deus de toda a eternidade, temos uma paleta de cores totalmente diferente para trabalhar. Quando eu falo sobre as razões porque Deus é Digno e digo que existem 10 mil razões que o meu coração há de encontrar na verdade é um eufemismo poético. As razões para o louvor a Deus são tão grandes e maravilhosas que poderíamos cantar a partir de agora até para sempre e nunca ficar sem ideias a respeito de porque Ele é tão Digno.
Pense sobre a natureza do mundo por um momento. Até o momento, os cientistas descreveram mais de 1,7 milhões de espécies de animais, vegetais e algas na terra. Mamíferos constituem um dos grupos menores - com menos de 6.000 membros conhecidos. Para os insetos, por outro lado, estamos cientes de cerca de 1 milhão de espécies diferentes. E em todas as categorias, existem mais espécies a se tornarem conhecidas a cada ano. De fato, em alguns lugares como as profundezas do oceano que nem sequer começaram a explorar existem inúmeras espécies mais para se encontrar e identificar. Mas vamos nos ater por um momento aos 1,7 milhões de espécies que conhecemos até agora. Acho que poderíamos dizer com segurança que todo tipo de vegetal, animal ou outro ser vivo criado por Deus é uma razão para o seu louvor. Então, nós mal começamos e já encontramos 1,7 milhões de razões pelas quais possamos responder-lhe. Em seguida, olhe para as estrelas - os cientistas agora estão dizendo que há mais estrelas no universo conhecido que existem grãos de areia em todas as praias do mundo e nos desertos. Então, ali nós temos bilhões e bilhões de mais razões para proferir-se uma oferta de louvor. E então, olhamos para nossas próprias vidas - as bênçãos incontáveis por cada dia de nossa existência, e o milagre da vida. Nós pensamos sobre as famílias e círculos sociais, e provisão em nossas vidas. E nós, louvamos e louvamos, e louvamos de novo. Talvez por isso que no final do Salmo 30 o salmista diz:
(Salmo 30: 12) "... para que o meu espírito te cante louvores e não se cale. SENHOR, Deus meu, graças te darei para sempre."
O salmista conhece uma multidão de razões do por que devemos adorar a Deus. E ele não conhece uma razão sequer pela qual ele deveria abster-se de fazê-lo. Ele não pode pensar em um único motivo pelo qual ele deve permanecer em silêncio. O mesmo deve ser verdade em nossas próprias vidas. A adoração a Jesus deve ser vibrante, criativa e colorida como se os nossos corações se desenrolassem em louvor. Haverá uma eternidade de motivos para adora-Lo e reverenciá-Lo.

Fonte: www.kingsway.co.uk